Estágio bolsista

Nos últimos anos, o Laboratório de Inclusão tem tomado um direcionamento mais individualizado em seu processo seletivo, dando espaço e valorização à dimensão humana, priorizando a questão ética, a consciência e o engajamento social.  O processo seletivo para o estágio não obrigatório (bolsista) ocorre em quatro etapas:

1. Avaliação curricular
2. Dinâmica de grupo e redação
3. Entrevista individual
4. Estágio probatório

Durante o estágio universitário, acontecem observações quanto à afinidade ao trabalho a ser desenvolvido com os usuários de cada unidade da SPS (a clientela é composta por crianças e mulheres vítimas de violência, famílias em situação de vulnerabilidade social, idosos e pessoas com deficiência).

A seguir também é observado o nível de comprometimento, a motivação e o interesse que o estagiário apresenta, através da aplicação de avaliações periódicas tanto do estagiário quanto do supervisor. De acordo com a legislação vigente sobre estágio (Lei Nº 11.788), é destinado um percentual de 10% do total de vagas a estudantes universitários com deficiência.

O Laboratório de Inclusão oferece ainda vagas direcionadas para estudantes universitários que apresentam histórico de vulnerabilidade social. São estudantes que, por motivo de pobreza, preconceitos diversos, problemas de saúde, orfandade etc necessitam de uma inclusão qualitativa individualizada.

Para que o estudante possa participar do processo seletivo, deve estar regularmente matriculado em faculdade/universidade conveniada, ter concluído no mínimo 50% dos créditos do curso e disponibilidade para estagiar pelo menos durante um ano. Atualmente, o valor da bolsa de estágio é de  R$ 671,95 + auxílio transporte e o estágio tem carga horária de 20 horas semanais, distribuídas no turno da manhã ou tarde.