Arquivo da categoria: SPS

Atualizações sobre o trabalho do Laboratório de Inclusão

Seria um imenso prazer nosso, do Laboratório de Inclusão, informar que a pandemia acabou e que retornaríamos normalmente com todas as nossas atividades. Seria. Infelizmente, ainda nos encontramos em tal estado de saúde pública, com o Ceará ainda apontando em alta nos casos de infecção, apesar de termos já uma boa melhora, em comparação aos meses anteriores.

Deste modo, seguindo ainda instruções de decreto estadual e orientações do Governo do Estado, informamos que ainda nos encontramos predominantemente em home office. Em nosso setor, ainda NÃO estamos realizando nenhum tipo de atendimento presencial, nos limitando somente aos atendimentos eletrônicos, via e-mail (labdeinclusao@gmail.com) ou via telefone (3101.2123 / 3101.4583).

Sobre nossos estágios curriculares obrigatórios e realizações de trabalhos acadêmicos em unidades desta Secretaria, também ainda NÃO estamos realizando nenhum encaminhamento. Nossas unidades, em sua maioria, abriga pessoas em alta vulnerabilidade social, estando entre estas, também, muitas pessoas que estão no grupo de risco de contaminação do Covid-19. Logo, esta nossa ação visa, acima de tudo, o menor risco para os nossos acolhidos e usuários.

Sobre nosso processo seletivo para estágio universitário bolsista em nossa Secretaria (processo este pausado desde o dia 16/03/2020), ainda não temos previsão sobre o mesmo. Estamos aguardando o retorno da normalidade dos serviços do Governo para darmos reposta aos candidatos e a quem mais interessar. De antemão, avisamos a todos que aguardem maiores notícias. Publicaremos amplamente em nossas mídias todas as atualizações, assim como também entraremos em contato com os estudantes em processo de entrevista.

Sobre nossos encaminhamentos para o mercado de trabalho, estamos realizando todos de forma virtual, de acordo com a demanda das empresas que entram em contato conosco.

Sobre nossos eventos, nossas oficinas e grupos de estudo, continuam todas temporariamente suspensas.

Pedimos a compreensão de todos para esta nossa situação. Tudo isto é temporário! Esperamos, em breve, retornarmos com todas as nossas atividades normalmente. Precisamos, neste momento, pensar no que há de mais importante: em salvar vidas! Diminuir o contágio é dever de todos nós! Contamos com a colaboração de todos.

O Laboratório de Inclusão vem a público se posicionar diante da pandemia Covid-19

coronavirus-pandemia

Vivemos tempos difíceis. Estamos enfrentando um perigo real e invisível, capaz de abreviar nossas vidas. Em momentos assim, nossa força, esperança e cuidado mútuo devem sempre prevalecer. Deste modo, anunciamos que, seguindo medidas decretadas pelo o Governo do Ceará, ainda nos encontramos em estado de isolamento social. Assim, nossas atividades ainda encontram-se em suspenso.

Porém, apesar de todos os transtornos, nosso trabalho e ideologia social continuam firmes e prósperas. Nossa equipe encontra-se em home office, trabalhando de casa, em constantes reuniões virtuais. Utilizamos nossas ferramentas para executar demandas possíveis, e nos preparar paras as atividades presenciais que virão. Nossa organização está sendo moldada à essa nova realidade instável e momentânea, e o nosso desempenho vem sendo regrado pelas notícias e ofícios diários.

Aos nossos candidatos no processo seletivo para estágio universitário, informamos que não temos previsão para o retorno de nossas entrevistas. Todo este processo seletivo encontra-se de sobreaviso. Pedimos que fiquem sempre atentos às nossas mídias, pois quaisquer notícias e alterações serão brevemente divulgadas.

Aos nossos trabalhadores incluídos, queremos dizer: Não se preocupem! Vocês sabem que o Laboratório de Inclusão está e sempre esteve do lado de vocês. Isso tudo é só uma fase, e logo estaremos de volta, juntos, fazendo o que sabemos fazer de melhor.

Ao nosso público, pedimos que sigam as nossas instruções. Estamos em comunicação próxima, através de nossos contatos. E a nossa maior recomendação é: Fiquem em casa! Quaisquer alterações em nossas rotinas, atividades ou demandas, entraremos em contato direto e pessoal, quando necessário. Assim como também estamos disponíveis para responder quaisquer dúvidas ou questionamentos.

Diante de tal cenário, o que mais vale é o zelo que devemos ter pelas vidas, por todas as vidas. Estamos trabalhando em casa, por nós e por vocês. Quem puder, fique em casa também. Toda nossa sociedade está enfrentando uma luta árdua, em que muitos sairão prejudicados, de diversas formas. Porém, devemos ter em mente que, neste momento, só há um ponto relevante: a vida! Seguiremos dessa forma, então. Avante em nossa luta social, com a certeza de um amanhã mais proveitoso, feliz e cheio de abraços e afetos.

Abertas as inscrições para processo seletivo para estágio universitário com bolsa na SPS

Processo seletivo SPS

O Laboratório de Inclusão da Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos – SPS está com 32 vagas abertas para estágio universitário com bolsa. Estudantes de Administração, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Ciências Contábeis, Direito, Enfermagem, Fisioterapia, Jornalismo, Pedagogia, Psicologia, Redes de Computadores e Serviço Social, que estiverem no mínimo com 50% dos créditos cursados e estudarem em uma das faculdades conveniadas, podem participar.

Os interessados, obedecendo o edital (publicado em Diário Oficial do Estado no dia 26/12/2019, caderno 2, página 117), devem inscrever-se pelo site da SPS (https://www.sps.ce.gov.br > SERVIÇOS > SISTEMAS > Cadastro de Currículo – Laboratório de Inclusão) e finalizar sua inscrição presencialmente no Laboratório de Inclusão, das 8h às 11h e das 13h às 16h, de segunda à sexta-feira. As vagas serão destinadas para unidades de acolhimento e vulnerabilidade social, sede, unidade de crianças e unidade de idosos. As inscrições ocorrerão até o dia 31 de janeiro, de acordo com a Portaria nº 688/2019 do Diário Oficial do Estado do dia 03/01/2020, página 17.

DISTRIBUIÇÃO DAS VAGAS:
Administração – 1 vaga
Análise e Desenvolvimento de Sistemas – 1 vaga
Ciências Contábeis – 2 vagas
Direito – 3 vagas
Enfermagem – 2 vagas
Fisioterapia – 2 vagas
Jornalismo – 1 vaga
Pedagogia – 5 vagas
Psicologia – 6 vagas
Redes de Computadores – 1 vaga
Serviço Social – 8 vagas

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA NO ATO DA INSCRIÇÃO:
– Ficha de inscrição devidamente preenchida (no site acima)
– 1 foto 3×4 atualizada
– Histórico escolar atualizado
– RG (Cópia simples)
– CPF (Cópia simples)
– Título de eleitor (Cópia simples)
Comprovante de quitação eleitoral (Cópia simples)
– Comprovante de endereço atualizado (Cópia simples)
– Dados do cônjuge (Se for casado(a)) (Cópia simples)
– Laudo médico (Em caso de pessoa com deficiência) (Cópia simples)

SERVIÇO:
Inscrições para processo seletivo para estágio universitário com bolsa na SPS
Onde: Laboratório de Inclusão, na Rua Soriano Albuquerque, 230 – Joaquim Távora
Mais informações: (85) 3101.2123 / 3101.4583 ou labdeinclusao@gmail.com

#estágiouniversitário #estágiocombolsa #estágiobolsista

Afinal, o que podemos tirar do Dia do Abraço?

por Sofia Guimarães
estagiária de psicologia do Laboratório de Inclusão

Dia do abraço editado

Neste mês, tivemos no dia 22 de maio (quarta-feira) uma data conhecida por muitos como o “Dia do Abraço”. Esse destaque no calendário se deu após um australiano chamado Juan Mann iniciar, nos primórdios dos anos 2000, uma campanha com o título de Free Hugs (“Abraços Gratuitos”), escrito em um cartaz que levava consigo pelas ruas de Sidney, na Austrália. Percorrendo os espaços públicos, Juan carregava o cartaz a fim de sensibilizar os desconhecidos transeuntes à troca de abraços, de forma neutra e genuína, contemplando recusas e correspondências que surgiam dos mesmos. Nesse fluxo, o movimento foi ganhando forma internacionalmente, e os crescentes abraços gratuitos que tinham como fundo de seu cenário as avenidas, praças, shoppings e demais locais públicos, avançaram nessa missão de sensibilização e incentivo ao encontro afetuoso com o outro.

De fato, a proposta chama a atenção social para a relevância de um abraço, e vem nos lembrar que se trata de um gesto, às vezes, esquecido ou menosprezado – embora seja bom para o que abraça e o que é abraçado. Todavia, a ação de um abraço não deve se restringir à data de 22 de maio, e sim abrir a reflexão de como nos comportamos quanto a isso nos outros 364 dias do ano. Em um abraço, eu uno o(s) meu(s) braço(s) ao(s) seu(s), e assim nossos corpos se aproximam e um sentimento nos sela. Em um abraço, cabe um mundo de significados, que eu mesmo coloco e o outro completa e cria o sentido por trás: uma palavra, um desejo, uma intenção, uma energia, um agradecimento, (…). E tem mais! Quer algo mais simbólico da inclusão que ele? O abraço inclui, junta. Ele tem em seu toque físico (se feito com a concessão dos envolvidos, vale ressaltar) um quê terapêutico, possibilitando superação de diferenças, acolhimento, alívio de alguma tensão ou dor presente, e uma aproximação corporal que contribui à relação, qualquer que seja ela.

Para você, que talvez tenha experienciado muitos ou poucos abraços, que esse texto sirva como um ponto de luz a direcionar a reflexão: o que você tem feito com os abraços? Desejo que a brevidade de cada encontro seu com alguém possa beirar a eternidade com um abraço, porque abraço não tem dia nem local ideal para acontecer, e requer apenas o encontro dos braços e dos corações a se enlaçar.

Acesse o vídeo da Campanha Free Hugs.

A nudez dos preconceitos: O que aprendemos e evoluímos entre STDS e SPS?

por João Monteiro
jornalista e coordenador do Laboratório de Inclusão

blog 1

Diante de tantos redesenhos, mudanças de gestões e governos, o Laboratório de Inclusão sobrevive e resiste, nesses 28 anos, enfrentando o seu maior vilão: o preconceito. Este texto foi escrito e publicado em 2011, com o título original, “A nudez dos preconceitos. ‘O João está lá, com um bando de cegos e aleijados’”. Agora republicamos, como outra reflexão, de memórias e conquistas, em um momento de crise política e ideológica no Brasil.

Os estudos referentes às origens e consequências dos preconceitos humanos reforçam a ideia de uma sociedade doente, incoerente, desigual, violenta e preconceituosa. Pensando na diversidade dos preconceitos, desde o deficientismo, racismo, xenofobia, homofobia… Observa-se que as expressões humanas vêm dos próprios sentimentos, das sensações, das atitudes, das escolhas, dos modelos criados e propagados ao longo da nossa História.

O preconceito se estabelece como forma de sentimento ou prática rotineira. Pessoas preconceituosas têm a convicção de que as pessoas com deficiência são espécie inferiorizada. Entre ser inferiorizada e ser inferior existe uma diferença de interpretação e significado, mas consequências das desigualdades sociais. Pelo preconceito, as pessoas com deficiência devem ser tratadas como inferiores e inferiorizadas. Este tratamento, promovido pelo sentimento do preconceito, retrata uma condição de comportamento de não aceitar as diferenças como características humanas, ou a aceitação dos modelos pré-estabelecidos de ser humano perfeito. As teorias de perfeição já causaram grandes estragos na humanidade. O modelo de ser humano perfeito envolve um corpo perfeito, beleza facial, que podem também serem anexados a outras exigências como as condições financeiras ou status social.

A vulgarização da dita perfeição humana, como apoio de sustentação dos preconceitos, torna possível a teoria de que a sociedade precisa de mais equilíbrio do que de perfeição. Promovemos a inclusão de uma pessoa com deficiência pelo equilíbrio, pelo combate às desigualdades sociais, às deturpações de valores. É o equilíbrio que pode promover a aceitação das diferenças humanas como essenciais evolução e não a perfeição.

Com a formação do Grupo de estudos e Apoio à Acessibilidade Humana, em 2004, não foi difícil detectar os focos de preconceitos dentro e fora da ex-Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social – STDS (atual Secretaria de Proteção Social, Justiça, Mulheres e Direitos Humanos – SPS). Ficou claro também, nas avaliações das pesquisas, que nenhuma pessoa observada e entrevistada admitiu ter preconceito, mas nas atitudes do dia a dia não tiveram dificuldades de expressar essa ação.

As expressões humanas envolvem também a dualidade de atitudes. Quando deparamos com atitudes de preconceito, essa dualidade é claramente visível. Em 28 anos estudando e combatendo preconceitos, muitos exemplos de atitudes preconceituosas foram colhidas pelo Laboratório e serviram de material de estudos. Um dos casos mais famosos aconteceu em 2007. Em uma das reuniões do Grupo de Acessibilidade foram convidados alguns gestores para participarem de uma discussão sobre empregabilidade de pessoas com deficiência. Marcamos a reunião com um mês de antecedência, com horário de início para às 13h. Esperamos até 14:30h e nenhum dos convidados apareceu. Resolvemos ligar para saber o motivo das ausências, quando uma das secretárias comunicou que os gestores estavam em um evento muito importante. Reclamei que deveriam ter avisado e que muita gente estava esperando aquela reunião, pessoas com todas as deficiências e tiveram dificuldades de se deslocar até a Secretaria. Foi quando a secretária, que displicentemente não tampou a entrada de voz do telefone, proferiu a seguinte frase: “O João está lá, com um bando de cegos e aleijados”. Aproveitamos o momento da reunião e a ausência dos gestores e colocamos a referida frase como objeto de estudos do Grupo de Acessibilidade.

Passaram-se sete anos desde o lançamento do Projeto de Acessibilidade em 2004, que antecedeu a criação do Laboratório de Inclusão da STDS (atual SPS). Todas as deficiências foram incluídas, em todas as funções, como previa o Projeto de Inclusão Qualitativa. Assistimos a uma apresentação de balé de cadeiras de rodas. Foi emocionante ver aquelas meninas em suas cadeiras de rodas em cenas fortes de dedicação, arte e superação. No trabalho de inclusão de pessoas com deficiência é essencial conservar e evoluir o nível de emoções dos sentimentos de simplicidade e generosidade. Naquele momento, novamente, escutamos a voz dos preconceitos: “Onde tu vê dança e arte nestas meninas aleijadas?” vindas de uma das pessoas estudadas e observadas pelo Laboratório de Inclusão, desde 2004. Mesmo com tantos momentos ricos de vivências, cursos de conscientização, apresentações, seminários e o convívio com trabalhadores com suas diferenças, não foi possível mudar aquela pessoa e tantas outras que continuam expressando em suas palavras e ações a violência dos preconceitos. Surge então a pergunta: Preconceito tem cura?

Em destaque, para reflexão, a relação de algumas frases pronunciadas no período de implantação do projeto de Inclusão Qualitativa, que serviram para diagnosticar focos de resistência à inclusão de pessoas com deficiência: “Você está louco em colocar uma estudante de serviço social cega para estagiar! Como ela vai fazer estudo de caso ou visita domiciliar?”; “Além de cego, é aleijado!”; “Como colocar um lesado para trabalhar na cozinha?”; “Como você vai conseguir trabalhar com velhos, mijados, cagados e fedorentos?”; “Ainda bem que aquela cadeirante é bonitinha.”; “Minha filha não é deficiente, é inteligente.”; “Estes deficientes só chegaram para atrapalhar.”; “Mande apenas pessoas com deficiência leve. Não pode ser cadeirante, cego, surdo… Temos que cumprir a cota”.

Quando eu chegava com o Grupo de Acessibilidade, das apresentações externas, alguém comentava: “Lá vem o aleijado com os aleijados dele”. Todos os autores destas frases foram identificados para serem estudados pelo Laboratório de Inclusão.

Lembro das palavras da ex-deputada e Juíza Denise Frossard, em 2006, ao rejeitar o projeto de lei que considera crime discriminar deficientes físicos: “A deformidade física fere o senso estético do ser humano. A exposição em público de chagas e aleijões produz asco no espírito dos outros, uma rejeição natural ao que é disforme e repugnante, ainda que o suporte seja uma criatura humana.”

O enfrentamento e o convívio com o preconceito, por parte das pessoas com deficiência, envolve um nível de aceitação e consciência de acordo com as memórias de cada um. Como somos diferentes, temos formas de expressões e reações diferentes. Alguns pontos se tornam essenciais ao enfrentamento dos preconceitos humanos: 1. Assumir a própria deficiência sem medo e vergonha. 2. Entender que a deficiência do preconceito é bem maior e pior que a sua. 3. A deficiência ou diferença é uma característica humana. 4. A aceitação de si mesmo deve ser mais forte do que o preconceito. 5. Não permita que as pessoas com preconceito impeçam você de viver. A vida é sua e você deve vivê-la com dignidade e liberdade.

Por uma pessoa ter uma deficiência não significa não ser preconceituosa. A característica de ser preconceituosa está ligada à condição do próprio comportamento, do que aprendeu como valores sociais, dentro de sua trajetória de vida. Uma pessoa com deficiência visual, por exemplo, pode ser racista mesmo sem poder enxergar a cor da pele de uma outra pessoa, basta saber que aquela pessoa é negra para expressar sua condição de racista. Qualquer tipo de deficiência ou diferença pode se incorporar à uma condição de ser preconceituoso.

No processo de inclusão das pessoas com deficiência identificamos dois pontos que podem ajudar e organizar as estratégias de combate aos preconceitos, na sustentabilidade de projetos, seus parceiros e seus adversários. 1. O preconceito cresce ou se expande quando deixamos ele se expressar sem contestação. 2. Quando identificamos oficialmente o foco ou as pessoas com preconceito, ele se retrai ou se torna vulnerável.

Em um dos encontros do Grupo de Acessibilidade, foi feito uma pergunta aos participantes, todos com um tipo de deficiência: “Você é capaz de identificar nominalmente as pessoas que lhe tratam com preconceito, dentro da família, entre os amigos, na escola ou faculdade e no ambiente de trabalho?” A resposta um unânime “sim”. Tudo fica mais compreensível quando sentimos na própria pele.

A neutralização dos focos de preconceito não identifica a sua eliminação, por que é temporário, como um silêncio aparente. Muitas pessoas estudadas e pesquisadas pelo Laboratório de Inclusão tiveram vergonha de admitir serem preconceituosas, mas tiveram facilidades em expressar o preconceito, através de atitudes de indiferença e exclusão. Acham “bonitinhas” as pessoas com Síndrome Down, ou sentem pena. Outro dia incluímos um trabalhador com Síndrome de Down como auxiliar de lanchonete. Ele fazia entregas nas salas. Uma funcionária comentou com a equipe do Laboratório: “Achei lindo aquele menino com Síndrome de Down fazendo entregas nas salas”. Perguntei se ela aceitaria um adolescente com a mesma síndrome como estagiário em seu setor. Foi quando ela respondeu com rapidez: “Vixe, lá na nossa sala? É complicado, não temos tempo de acompanhar, acho melhor você procurar outro setor…”

Passei três anos me comunicando profissionalmente com uma gestora de outra secretaria por telefone. Ela sempre me tratava bem, tirando dúvidas, facilitando os trabalhos. Mas, um dia, participamos de uma mesma reunião e ela me viu andando com as sequelas de poliomielite. A partir daquele momento ela passou a me tratar com indiferença, às vezes com grosserias ou irritabilidade.

É preciso entender o que se passa na mente, no sentimento da pessoa que pratica o preconceito. As pessoas observadas pelo Laboratório, com verbalizações a atitudes de preconceito, foram relacionadas e são acompanhadas e avaliadas como objetos de estudos na elaboração de estratégias de combate aos preconceitos. Constatamos que elas não mantêm um bom relacionamento interpessoal, nem no ambiente profissional nem no familiar. Relatamos que elas expressam arrogância e autossuficiência, agressividade nas palavras e, dependendo das características e nível dos sentimentos, podem ser agressivas fisicamente, o que é mais comum na homofobia.

O Laboratório de Inclusão é rotulado pelas interpretações externas, com uma carga forte de preconceitos, por representar os níveis inversos do padrão exigido de “perfeição” humana. Estas interpretações atingem, muitas vezes, alguns projetos que poderiam ter um tempo de resultados bem mais curto. O preconceito velado, que se esconde por trás do artificialismo do comportamento, carrega uma disfuncionalidade capaz de retardar a evolução de muitos projetos, danificando, irreversivelmente, destinos humanos.

Nos estudos do Laboratório verificamos a diversidade dos preconceitos. Uma pessoa é submetida a várias avaliações: O formato de seu corpo, a maneira de andar, o tom da voz, a textura da pele, o tipo de cabelo, a fisionomia do rosto, a maneira de se vestir, a maneira com que fala, se perdeu algum sentido (visão, audição, mobilidade, cognitivo)… são as existências do padrão do ser humano perfeito. A valorização da aparência ou mobilidade de um corpo humano reflete as simbologias criadas como modelos de perfeição.

Ter preconceito é também uma característica humana neste modelo de sociedade que vivemos, como também ter uma deficiência. Como são opostos, ter uma deficiência não impede nem o homem nem o mundo de evoluírem, mas o preconceito retarda a evolução da vida, como elemento destruidor e desnecessário. Assim, dentro da ideia do surgimento e desenvolvimento de um novo modelo de sociedade, poderiam considerar “deficiências humanas” apenas de comportamentos preconceituosos e violentos.

Na inclusão de pessoas com deficiência avaliamos as pessoas com preconceito em três categorias: Aqueles que assumem abertamente ser preconceituosos; Aqueles que não assumem ser preconceituosas, mas expressam com facilidades ter preconceito; Aqueles que têm pena de quem tem deficiência, mas mantém a convicção de que eles são inferiores.

Ser preconceituoso pode até não ter cura, em alguns casos, mesmo com a ajuda da ciência, mas temos que pensar em outro tipo de ser humano, de sociedade, começando por nós mesmos, multiplicando a ideia de um mundo onde a diversidade humana possa conviver em harmonia. Isto vai ser possível um dia? É bom começar não tendo medo de enfrentar os vilões que mantêm as invisibilidades humanas…