Arquivo da categoria: Grupo de Acessibilidade

A nudez dos preconceitos: O que aprendemos e evoluímos entre STDS e SPS?

por João Monteiro
jornalista e coordenador do Laboratório de Inclusão

blog 1

Diante de tantos redesenhos, mudanças de gestões e governos, o Laboratório de Inclusão sobrevive e resiste, nesses 28 anos, enfrentando o seu maior vilão: o preconceito. Este texto foi escrito e publicado em 2011, com o título original, “A nudez dos preconceitos. ‘O João está lá, com um bando de cegos e aleijados’”. Agora republicamos, como outra reflexão, de memórias e conquistas, em um momento de crise política e ideológica no Brasil.

Os estudos referentes às origens e consequências dos preconceitos humanos reforçam a ideia de uma sociedade doente, incoerente, desigual, violenta e preconceituosa. Pensando na diversidade dos preconceitos, desde o deficientismo, racismo, xenofobia, homofobia… Observa-se que as expressões humanas vêm dos próprios sentimentos, das sensações, das atitudes, das escolhas, dos modelos criados e propagados ao longo da nossa História.

O preconceito se estabelece como forma de sentimento ou prática rotineira. Pessoas preconceituosas têm a convicção de que as pessoas com deficiência são espécie inferiorizada. Entre ser inferiorizada e ser inferior existe uma diferença de interpretação e significado, mas consequências das desigualdades sociais. Pelo preconceito, as pessoas com deficiência devem ser tratadas como inferiores e inferiorizadas. Este tratamento, promovido pelo sentimento do preconceito, retrata uma condição de comportamento de não aceitar as diferenças como características humanas, ou a aceitação dos modelos pré-estabelecidos de ser humano perfeito. As teorias de perfeição já causaram grandes estragos na humanidade. O modelo de ser humano perfeito envolve um corpo perfeito, beleza facial, que podem também serem anexados a outras exigências como as condições financeiras ou status social.

A vulgarização da dita perfeição humana, como apoio de sustentação dos preconceitos, torna possível a teoria de que a sociedade precisa de mais equilíbrio do que de perfeição. Promovemos a inclusão de uma pessoa com deficiência pelo equilíbrio, pelo combate às desigualdades sociais, às deturpações de valores. É o equilíbrio que pode promover a aceitação das diferenças humanas como essenciais evolução e não a perfeição.

Com a formação do Grupo de estudos e Apoio à Acessibilidade Humana, em 2004, não foi difícil detectar os focos de preconceitos dentro e fora da ex-Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social – STDS (atual Secretaria de Proteção Social, Justiça, Mulheres e Direitos Humanos – SPS). Ficou claro também, nas avaliações das pesquisas, que nenhuma pessoa observada e entrevistada admitiu ter preconceito, mas nas atitudes do dia a dia não tiveram dificuldades de expressar essa ação.

As expressões humanas envolvem também a dualidade de atitudes. Quando deparamos com atitudes de preconceito, essa dualidade é claramente visível. Em 28 anos estudando e combatendo preconceitos, muitos exemplos de atitudes preconceituosas foram colhidas pelo Laboratório e serviram de material de estudos. Um dos casos mais famosos aconteceu em 2007. Em uma das reuniões do Grupo de Acessibilidade foram convidados alguns gestores para participarem de uma discussão sobre empregabilidade de pessoas com deficiência. Marcamos a reunião com um mês de antecedência, com horário de início para às 13h. Esperamos até 14:30h e nenhum dos convidados apareceu. Resolvemos ligar para saber o motivo das ausências, quando uma das secretárias comunicou que os gestores estavam em um evento muito importante. Reclamei que deveriam ter avisado e que muita gente estava esperando aquela reunião, pessoas com todas as deficiências e tiveram dificuldades de se deslocar até a Secretaria. Foi quando a secretária, que displicentemente não tampou a entrada de voz do telefone, proferiu a seguinte frase: “O João está lá, com um bando de cegos e aleijados”. Aproveitamos o momento da reunião e a ausência dos gestores e colocamos a referida frase como objeto de estudos do Grupo de Acessibilidade.

Passaram-se sete anos desde o lançamento do Projeto de Acessibilidade em 2004, que antecedeu a criação do Laboratório de Inclusão da STDS (atual SPS). Todas as deficiências foram incluídas, em todas as funções, como previa o Projeto de Inclusão Qualitativa. Assistimos a uma apresentação de balé de cadeiras de rodas. Foi emocionante ver aquelas meninas em suas cadeiras de rodas em cenas fortes de dedicação, arte e superação. No trabalho de inclusão de pessoas com deficiência é essencial conservar e evoluir o nível de emoções dos sentimentos de simplicidade e generosidade. Naquele momento, novamente, escutamos a voz dos preconceitos: “Onde tu vê dança e arte nestas meninas aleijadas?” vindas de uma das pessoas estudadas e observadas pelo Laboratório de Inclusão, desde 2004. Mesmo com tantos momentos ricos de vivências, cursos de conscientização, apresentações, seminários e o convívio com trabalhadores com suas diferenças, não foi possível mudar aquela pessoa e tantas outras que continuam expressando em suas palavras e ações a violência dos preconceitos. Surge então a pergunta: Preconceito tem cura?

Em destaque, para reflexão, a relação de algumas frases pronunciadas no período de implantação do projeto de Inclusão Qualitativa, que serviram para diagnosticar focos de resistência à inclusão de pessoas com deficiência: “Você está louco em colocar uma estudante de serviço social cega para estagiar! Como ela vai fazer estudo de caso ou visita domiciliar?”; “Além de cego, é aleijado!”; “Como colocar um lesado para trabalhar na cozinha?”; “Como você vai conseguir trabalhar com velhos, mijados, cagados e fedorentos?”; “Ainda bem que aquela cadeirante é bonitinha.”; “Minha filha não é deficiente, é inteligente.”; “Estes deficientes só chegaram para atrapalhar.”; “Mande apenas pessoas com deficiência leve. Não pode ser cadeirante, cego, surdo… Temos que cumprir a cota”.

Quando eu chegava com o Grupo de Acessibilidade, das apresentações externas, alguém comentava: “Lá vem o aleijado com os aleijados dele”. Todos os autores destas frases foram identificados para serem estudados pelo Laboratório de Inclusão.

Lembro das palavras da ex-deputada e Juíza Denise Frossard, em 2006, ao rejeitar o projeto de lei que considera crime discriminar deficientes físicos: “A deformidade física fere o senso estético do ser humano. A exposição em público de chagas e aleijões produz asco no espírito dos outros, uma rejeição natural ao que é disforme e repugnante, ainda que o suporte seja uma criatura humana.”

O enfrentamento e o convívio com o preconceito, por parte das pessoas com deficiência, envolve um nível de aceitação e consciência de acordo com as memórias de cada um. Como somos diferentes, temos formas de expressões e reações diferentes. Alguns pontos se tornam essenciais ao enfrentamento dos preconceitos humanos: 1. Assumir a própria deficiência sem medo e vergonha. 2. Entender que a deficiência do preconceito é bem maior e pior que a sua. 3. A deficiência ou diferença é uma característica humana. 4. A aceitação de si mesmo deve ser mais forte do que o preconceito. 5. Não permita que as pessoas com preconceito impeçam você de viver. A vida é sua e você deve vivê-la com dignidade e liberdade.

Por uma pessoa ter uma deficiência não significa não ser preconceituosa. A característica de ser preconceituosa está ligada à condição do próprio comportamento, do que aprendeu como valores sociais, dentro de sua trajetória de vida. Uma pessoa com deficiência visual, por exemplo, pode ser racista mesmo sem poder enxergar a cor da pele de uma outra pessoa, basta saber que aquela pessoa é negra para expressar sua condição de racista. Qualquer tipo de deficiência ou diferença pode se incorporar à uma condição de ser preconceituoso.

No processo de inclusão das pessoas com deficiência identificamos dois pontos que podem ajudar e organizar as estratégias de combate aos preconceitos, na sustentabilidade de projetos, seus parceiros e seus adversários. 1. O preconceito cresce ou se expande quando deixamos ele se expressar sem contestação. 2. Quando identificamos oficialmente o foco ou as pessoas com preconceito, ele se retrai ou se torna vulnerável.

Em um dos encontros do Grupo de Acessibilidade, foi feito uma pergunta aos participantes, todos com um tipo de deficiência: “Você é capaz de identificar nominalmente as pessoas que lhe tratam com preconceito, dentro da família, entre os amigos, na escola ou faculdade e no ambiente de trabalho?” A resposta um unânime “sim”. Tudo fica mais compreensível quando sentimos na própria pele.

A neutralização dos focos de preconceito não identifica a sua eliminação, por que é temporário, como um silêncio aparente. Muitas pessoas estudadas e pesquisadas pelo Laboratório de Inclusão tiveram vergonha de admitir serem preconceituosas, mas tiveram facilidades em expressar o preconceito, através de atitudes de indiferença e exclusão. Acham “bonitinhas” as pessoas com Síndrome Down, ou sentem pena. Outro dia incluímos um trabalhador com Síndrome de Down como auxiliar de lanchonete. Ele fazia entregas nas salas. Uma funcionária comentou com a equipe do Laboratório: “Achei lindo aquele menino com Síndrome de Down fazendo entregas nas salas”. Perguntei se ela aceitaria um adolescente com a mesma síndrome como estagiário em seu setor. Foi quando ela respondeu com rapidez: “Vixe, lá na nossa sala? É complicado, não temos tempo de acompanhar, acho melhor você procurar outro setor…”

Passei três anos me comunicando profissionalmente com uma gestora de outra secretaria por telefone. Ela sempre me tratava bem, tirando dúvidas, facilitando os trabalhos. Mas, um dia, participamos de uma mesma reunião e ela me viu andando com as sequelas de poliomielite. A partir daquele momento ela passou a me tratar com indiferença, às vezes com grosserias ou irritabilidade.

É preciso entender o que se passa na mente, no sentimento da pessoa que pratica o preconceito. As pessoas observadas pelo Laboratório, com verbalizações a atitudes de preconceito, foram relacionadas e são acompanhadas e avaliadas como objetos de estudos na elaboração de estratégias de combate aos preconceitos. Constatamos que elas não mantêm um bom relacionamento interpessoal, nem no ambiente profissional nem no familiar. Relatamos que elas expressam arrogância e autossuficiência, agressividade nas palavras e, dependendo das características e nível dos sentimentos, podem ser agressivas fisicamente, o que é mais comum na homofobia.

O Laboratório de Inclusão é rotulado pelas interpretações externas, com uma carga forte de preconceitos, por representar os níveis inversos do padrão exigido de “perfeição” humana. Estas interpretações atingem, muitas vezes, alguns projetos que poderiam ter um tempo de resultados bem mais curto. O preconceito velado, que se esconde por trás do artificialismo do comportamento, carrega uma disfuncionalidade capaz de retardar a evolução de muitos projetos, danificando, irreversivelmente, destinos humanos.

Nos estudos do Laboratório verificamos a diversidade dos preconceitos. Uma pessoa é submetida a várias avaliações: O formato de seu corpo, a maneira de andar, o tom da voz, a textura da pele, o tipo de cabelo, a fisionomia do rosto, a maneira de se vestir, a maneira com que fala, se perdeu algum sentido (visão, audição, mobilidade, cognitivo)… são as existências do padrão do ser humano perfeito. A valorização da aparência ou mobilidade de um corpo humano reflete as simbologias criadas como modelos de perfeição.

Ter preconceito é também uma característica humana neste modelo de sociedade que vivemos, como também ter uma deficiência. Como são opostos, ter uma deficiência não impede nem o homem nem o mundo de evoluírem, mas o preconceito retarda a evolução da vida, como elemento destruidor e desnecessário. Assim, dentro da ideia do surgimento e desenvolvimento de um novo modelo de sociedade, poderiam considerar “deficiências humanas” apenas de comportamentos preconceituosos e violentos.

Na inclusão de pessoas com deficiência avaliamos as pessoas com preconceito em três categorias: Aqueles que assumem abertamente ser preconceituosos; Aqueles que não assumem ser preconceituosas, mas expressam com facilidades ter preconceito; Aqueles que têm pena de quem tem deficiência, mas mantém a convicção de que eles são inferiores.

Ser preconceituoso pode até não ter cura, em alguns casos, mesmo com a ajuda da ciência, mas temos que pensar em outro tipo de ser humano, de sociedade, começando por nós mesmos, multiplicando a ideia de um mundo onde a diversidade humana possa conviver em harmonia. Isto vai ser possível um dia? É bom começar não tendo medo de enfrentar os vilões que mantêm as invisibilidades humanas…

Inclusão qualitativa de pessoas com deficiência é tema do III Arte e Acessibilidade

Mesa redonda do II Arte e Acessibilidade sobre relacionamento de filhos com deficiência e seus pais.
Mesa redonda do II Arte e Acessibilidade sobre relacionamento de filhos com deficiência e seus pais.

Em alusão ao Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, o Laboratório de Inclusão da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS), através do Grupo de Acessibilidade, promove o III Arte e Acessibilidade com o tema “Inclusão qualitativa: uma receita que vem dando certo”. O evento acontecerá nesta quinta-feira (19), a partir das 13h, no auditório da STDS.

Nessa terceira edição, o Arte e Acessibilidade tem como objetivo discutir o modelo de inclusão baseado na qualidade dos profissionais com deficiência e a ineficácia do  modelo numérico, apresentando os resultados alcançados pelo Laboratório de Inclusão e entidades parceiras, como Conecta Serviços, Departamento Estadual de Trânsito (Detran-CE), G Barbosa e Secretaria de Saúde do Estado do Ceará.

Programação

13:00 – Entrega de certificação
13:30 – Palestra: “Inclusão qualitativa: uma receita que vem dando certo”
João Monteiro Vasconcelos, coordenador do Laboratório de Inclusão.
14:00 – Palestra: “Empregabilidade de jovens com deficiência”
Fernando Gomes, técnico em RH, especialista em Gestão de Pessoas e coordenador da Ação Jovem Estagiário do Espaço de Políticas Públicas da Juventude (Projeto Primeiro Passo).
14:30 – Depoimentos de estagiários com deficiência
15:00 – Apresentação artística: Ballet Elos da Vida
15:15 – Palestra: “Automotivação e barreiras atitudinais”
Márcio Vaz, coach e membro do Grupo de Acessibilidade.
16:00 – Perguntas
16:30 – Encerramento

SERVIÇO
III Arte e Acessibilidade
Quando: Quinta-feira, 19 de setembro, a partir das 13h.
Onde: Auditório da STDS (Rua Soriano Albuquerque, 230 – Joaquim Távora).
Mais informações: (85) 3101-2123, 3101-4583 ou labdeinclusao@gmail.com.
Gratuito

Assistencialismo não é empregabilidade

Existe uma diferença muito grande entre assistencialismo e geração de emprego e renda para pessoas com deficiência. Na primeira, a pessoa ainda não se encontra no nível de empregabilidade devido à dependência acentuada e à impossibilidade de desempenhar atividades profissionais. Na segunda, a qualidade das atividades desenvolvidas vão ser exigidas, transformando a deficiência apenas em uma característica, onde o limite é a própria superação.

A inclusão social de pessoas com deficiência pode ser dividida em dois níveis: por participação, quando o nível da deficiência impede a realização de atividades profissionais; e por trabalho, quando a deficiência não impossibilita a realização destas atividades. A inclusão por participação, que leva ao assistencialismo, requer um novo modelo de sociedade para que seja realizada com eficiência.

É necessário um outro patamar de consciência humana capaz de anular as práticas do preconceito para entender que, mesmo impossibilitada ao trabalho, a pessoa tem o direito de participar de sua existência com dignidade, através do lazer, cultura, esporte ou qualquer outra atividade possível. O preconceito ainda é o maior vilão da inclusão de pessoas com deficiência. Ele segue sobrevivendo e se multiplicando, se opondo a uma sociedade livre e solidária, onde todas as pessoas devem ser bem tratadas, independente de suas diferenças.

Ultrapassar o nível de assistencialismo requer um crescimento pessoal. Um processo constante de capacitação, rompendo barreiras, conquistando autonomia, tornando a deficiência apenas um detalhe. Este processo não é fácil, mas necessário para a evolução profissional. O nível de empregabilidade amplia a competência de enfrentar o mercado, promovendo uma abertura maior nos postos de trabalho, principalmente em funções técnicas.

O processo de capacitação e evolução profissional de pessoas com deficiência envolve, desde a escola formal, cursos de profissionalização e universidades, ao exercício de uma sociedade inclusiva, onde o convívio com a diversidade humana seja considerado normal. O entendimento da diferença entre assistencialismo e empregabilidade reforça a ideia de uma inclusão espontânea, fruto da responsabilidade social da empresa e da consciência do profissional com deficiência.

Confundir assistencialismo com empregabilidade, nível de participação com nível de trabalho, é atrasar ainda mais o desenvolvimento das políticas públicas de geração de emprego e renda para pessoas com deficiência. É preciso extinguir a falsa ideia de que essas pessoas com nível de empregabilidade são inferiores ou incapazes. No trabalho, a dedicação, o nível de iniciativa e interesse e a qualificação profissional são fatores essenciais para qualquer trabalhador, independe de ser ou não deficiente.

Vídeo, produzido pelo Grupo de Acessibilidade, mostra depoimentos de pessoas que foram incluídas pelo Laboratório de Inclusão, através da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS):

Laboratório de Inclusão promove, na UECE, minicurso sobre acessibilidade

vidas_sem_barreiras

Com o intuito de apresentar a realidade das pessoas com deficiência, o Laboratório de Inclusão da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS), através do Grupo de Acessibilidade, promoverá o minicurso “Acessibilidade: Vidas sem Barreiras”, nos dias 4 e 5 de abril, de 14h às 17h, na sala J1 do Campus do Itaperi da Universidade Estadual do Ceará (UECE), durante a XV Semana de Cultura do Serviço Social.

Além de apresentar a ideologia e o trabalho desenvolvido pelo Laboratório de Inclusão, durante o minicurso, serão realizadas oficinas em prol de uma melhor convivência entre os participantes e pessoas com deficiência visual, auditiva, intelectual e física, assim como questionados os mitos acerca de suas incapacidades e limitações.

XV Semana de Cultura do Serviço Social

O evento acontecerá do dia 3 a 5 de abril, de 8h às 21h, e será direcionado aos estudantes de graduação do curso de serviço social da UECE. Entretanto, profissionais e estudantes de outras universidades, áreas e demais interessados nos espaços de discussão também poderão participar e colaborar.

A XV Semana de Cultura do Serviço Social contará com quatro mesas de discussão que abordarão temáticas como cultura de massa e cultura popular; cultura e serviço social na contemporaneidade; movimentos sociais, cultura e universidade. Além de debates, grupos de discussão e minicursos.

Cronograma – Minicurso “Acessibilidade: Vidas sem Barreiras”

4 de abril (quinta-feira)

14h00 – Apresentação do Grupo de Acessibilidade
14h10 – Dinâmica “Descobrindo a quem pertence”
14h40 – Vídeo “Boca em boca”
15h00 – Apresentação do Laboratório de Inclusão
15h30 – Oficina de Convivência: deficiência auditiva
16h10 – Oficina de Convivência: deficiência intelectual
16h40 – Compartilhamentos sobre a Oficina de Convivência

5 de abril (sexta-feira)

14h00 – Cena do filme “Primeiro da sala”
14h30 – Histórico e mitos da deficiência
14h50 – Oficina de Convivência: deficiência visual
15h45 – Oficina de Convivência: deficiência física
16h30 – Avaliação do Minicurso
16h45 – Encerramento

SERVIÇO
Minicurso “Acessibilidade: Vidas sem Barreiras”
Quando: 4 e 5 de abril, quinta e sexta-feira, das 14h às 17h
Onde: Sala J1 – Campus do Itaperi da UECE (Av. Paranjana, 1700)
Informações sobre o minicurso: labdeinclusao@gmail.com ou 8915-3614
Informações sobre a XV Semana Cultural: www.uece.br/eventos/xvsemanadecultura

Márcio Vaz lança “Minha boca meu caminhar” amanhã na Unifor

minha_boca_meu_caminhar
O palestrante e estudante de psicologia Márcio Vaz lança amanhã (29) seu primeiro livro autobiográfico, “Minha Boca Meu Caminhar”. O lançamento acontecerá às 19h no auditório da biblioteca da Universidade de Fortaleza (Unifor). O livro conta o trajeto de vida do autor, que, aos 22 anos, tornou-se tetraplégico e superou as adversidades com muito bom humor, empreendedorismo e autoestima elevada.

No livro, Márcio escreve sobre temas como espiritualidade, marketing pessoal e sexualidade de maneira bastante dinâmica e bem humorada. Segundo ele, o bom humor sempre esteve presente em sua vida e foi um dos principais colaboradores da sua superação emocional e física.

Sobre o livro

Passados 14 anos do acidente que o tornou tetraplégico, Márcio Vaz decidiu lançar o livro autobiográfico “Minha boca meu caminhar” que conta toda a sua trajetória e como aprendeu a lidar com as mudanças da vida após vivenciar a tetraplegia. O “acordar para a vida”, como o próprio autor diz, aconteceu anos depois do acidente, ao encarar as dificuldades e precisar enfrenta-las.

O reingresso no mercado de trabalho, através de palestras motivacionais vivenciais, o retorno à faculdade e a ideia de escrever aconteceram após sua reabilitação para a vida, onde tinha ciência de que não voltaria a andar, mas precisaria aprender a se locomover na cadeira de rodas e utilizar a adaptação para escrever com a boca, que, a partir de então, seria o seu novo modo de caminhar.

Os 18 capítulos do livro fazem uma viagem cronológica – e bem humorada, vale ressaltar – pela vida de Márcio Vaz, partindo do acidente em águas rasas na praia da Caponga, em Cascavel-CE, que o tornara tetraplégico; a formação e construção da sua ética e moral durante os 10 anos que seguem o acidente; os quase três anos que passou no hospital; e o despertar para a vida, onde voltou a trabalhar, estudar, estagiar e, recentemente, escrever e lançar “Minha boca meu caminhar”.

Laboratório de Inclusão

oficina_psicologia_diversidade
Encerramento do primeiro grupo da Oficina de Psicologia da Diversidade, em 2012, atendendo mães de filhos com deficiência.

Márcio Vaz foi estagiário de psicologia no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) e, atualmente, é integrante do Grupo de Acessibilidade Humana e facilitador da Oficina de Psicologia da Diversidade, ambos no Laboratório de Inclusão da STDS.

SERVIÇO
“Minha boca meu caminhar”
O quê: Lançamento do livro de Márcio Vaz
Quando: 29 de janeiro (terça-feira), às 19h.
Onde: Auditório da biblioteca da Unifor (Av. Washington Soares, 1321 – Eng. Luciano Cavalcante).
Valor do livro: R$ 25
Outras informações: 8897-2378, www.marciovaz.net.