“Lá vem o aleijado com os aleijados dele”.

por João Monteiro
jornalista e coordenador do Laboratório de Inclusão

IMG_0001 editado sem legenda

Esta frase do título deste texto foi dita por uma funcionária da STDS, quando eu ia chegando de uma apresentação externa, com o Grupo de Acessibilidade, na sede da Secretaria. Uma frase forte, mas não foi suficiente para impedir que os projetos de inclusão de pessoas com deficiência e vulnerabilidade social fossem desenvolvidos com sucesso. O preconceito pode ser forte, mas, para combatê-lo, é preciso ser mais forte do que ele.

A inclusão de pessoas com deficiência, na STDS, teve início oficialmente em 2004, com a criação do Grupo de Acessibilidade. Um projeto que preenchia as cotas de pessoas com deficiência, nas vagas de colaboradores terceirizados. Um momento de muitos estudos, principalmente na observação do público interno, para saber os níveis de preconceitos e como seriam efetuadas as inclusões.

Na época, foi formado um grupo de estudos, interdisciplinar, com a participação de técnicos da STDS, estagiários universitários e algumas universidades conveniadas. Foi um ano de muitos estudos e pesquisas. Uma preparação do ambiente interno para a inclusão de 50 trabalhadores, com todas as deficiências e em todas as funções da STDS.

Identificamos, nos estudos e observações, 50 pessoas na STDS com níveis de preconceitos elevados, suas lotações e funções. Eram funcionários e alguns gestores. Conhecer e entender o ambiente físico e humano da STDS foi fundamental para o sucesso do preenchimento das vagas. Chegamos a incluir 107 pessoas com deficiências na STDS, entre estudantes universitários, estagiários do Projeto Primeiro Passo e colaboradores. Foi um processo seletivo rigoroso, mas, com o conhecimento interno, as lotações foram realizadas com muito planejamento.

O preconceito foi, e ainda é, a maior barreira na inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Na época de 2004, concluímos que seria demorado e complexo tentar mudar a cabeça das pessoas identificadas resistentes às inclusões dentro da STDS. Então, resolvemos planejar neutralizá-las. Como foi possível?! A estratégia foi a criação de um Laboratório de Inclusão, dentro da STDS, que desenvolvesse projetos fortes e consistentes de inclusão de pessoas com deficiência e vulnerabilidade social. As pessoas identificadas como preconceituosas seriam neutralizadas com as práticas constantes de combate aos preconceitos, através de grupos de estudos, oficinas e conscientização da importância do convívio harmonioso com a diversidade humana e aumento dos níveis de relacionamentos interpessoais.

Quando neutralizamos o preconceito, ele não deixa de existir, apenas fica velado, escondido, aparentemente silencioso, principalmente dentro do ambiente de trabalho. Ninguém vai ter a coragem de oficializar ser racista, homofóbico ou ter preconceito contra pessoas com deficiência no ambiente de trabalho. Preconceito velado é difícil de combater e identificar, porque, quem tem, diz que não tem. Mas como a neutralização provoca medo em quem tem preconceito, ele se torna fraco o suficiente para que as inclusões sociais possam se realizar sem interferências relevantes.

Hoje, depois de 14 anos, uma parte destas 50 pessoas já se aposentou, mas o preconceito não acabou, nem diminuiu. Não é um problema exclusivo da STDS, mas de todo o Brasil. É visível as expressões de racismo, homofobia e sexismo nas redes sociais. O preconceito contra pessoas com deficiência carrega pena, nojo, fragilidade e inferioridade; uma cultura nociva à evolução humana. Lembro do parecer e definição preconceituosa e violenta, nas palavras da ex-deputada e juíza Denise Frossad, sobre pessoas com deficiência: “A deformidade física fere o senso estético do ser humano. A exposição em público de chagas e aleijões produz asco no espírito dos outros, uma rejeição natural ao que é disforme e repugnante, ainda que o suporte seja uma criatura humana”. Palavras fortes que definem a estrutura regressiva, forte e cruel de um preconceito.

O Laboratório de Inclusão sobrevive, dentro de uma secretaria pública, que, como tantas outras, são reflexo de um país onde as práticas de preconceitos não dão trégua. É uma luta que parece não ter fim. Sabemos que foram muitas conquistas, muitos destinos evoluídos, mas o que preocupa, é que, mesmo com tantos avanços, projetos implantados, e tantas pessoas incluídas, as práticas de preconceitos não diminuíram, como uma praga que passa de geração a geração.

Com o aumento dos preconceitos, aumentam também as dificuldades de inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, afetando diretamente, todas as práticas de políticas públicas direcionadas a inclusão social. A crise política é também uma crise de caráter, de cultura e de educação. Difícil tentar mudar uma STDS, se o país também não muda, as pessoas não melhoram, a vida não melhora. É como passar horas construindo um castelo de areia, e alguém passa e chuta destruindo, então você tem que começar tudo de novo.

Estudar a personalidade de uma pessoa que tem ódio às outras, por terem uma deficiência ou serem diferentes, é um trabalho longo e, muitas vezes, desgastante. Mas precisamos continuar fortes, sem medo e tentado não desistir. Desistir é como morrer ou matar um sonho, uma luta ou muitas vidas…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s